Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Prevenção das Dependências - Art of Counseling

Prevenção significa: Prevenir, Adiar e Reduzir o abuso de substâncias psicoactivas geradoras dependência crónica, progressiva e fatal.

Prevenção das Dependências - Art of Counseling

Prevenção significa: Prevenir, Adiar e Reduzir o abuso de substâncias psicoactivas geradoras dependência crónica, progressiva e fatal.

O estigma, a negação e a vergonha e a prevenção dos comportamentos adictivos

treasure-chest-3005312_960_720.jpg

Por motivos históricos, culturais e morais, precisamos de mudar a perceção de algumas crenças rígidas e disfuncionais. Segundo o dicionário da Priberam da Língua Portuguesa estigma é. "Marca, cicatriz perdurável, marca infame feita com ferrete." Recorremos ao estigma ("marca", rótular, preconceitos) a fim de nos diferenciar dos outros, desta forma, estabelecemos uma identidade social, convencendo que somos aqueles que são os "normais.". Na realidade, todos nós já sofremos com o estigma; fomos marcados, sinalizados como “anormais -  persona non grata.

 

Segundo o dicionário Priberam da Língua Portuguesa negação é: "Não confessar culpa ou delito, recusar, repudiar, afirmar que algo não existe (desmentir), rejeitar" O que é que fazemos quando não queremos ver a verdade? Quando adiamos algo importante? Como é que se ajuda uma pessoa que recusa ser ajudada? O que é que fazemos quando justificamos o injustificável e o disfuncional? Optamos por esconder, não ver, não sentir e resistir à mudança de comportamentos e atitudes.

 

Segundo o dicionário Priberam da Língua Portuguesa vergonha é: "Pudor, pejo, timidez, acanhamento, timidez, embaraço, receio de desonra" Esta definição diz-nos pouco sobre o poder toxico da vergonha. A vergonha tóxica está enraizada na identidade (ser); não ser digno, não merecer, algo está errado connosco, preocupação e perfecionismo. A vergonha é mais difícil de identificar do que o sentimento de raiva, a ansiedade e a necessidade do controlo. Levamo-nos demasiado a sério (excesso de zelo, moralidade) porque queremos “esconder” a vergonha toxica.

 

Passamos uma parte considerável da nossa vida social a fingir, a negar e a proteger-nos da critica alheia com medo de revelarmos os sentimentos: desenvolvemos a crença que seremos criticados/julgados, repudiados por isso. Na verdade, sentir é OK, independentemente, daquilo que outros pensam ou dizem. É uma prioridade conseguirmos ser honestos connosco próprios.

 

 

 Alguns factores que reforçam o estigma, a negação e a vergonha. 1. Preocupação excessiva sobre o que é que os outros pensam 2. medo desmesurado do desconhecido 3. necessidade de certezas absolutas 4. ansiedade, perfecionismo 5. "ter o controlo sobre tudo" 6. comparação e competição excessiva 7. viver de aparências ou estilos de vida que não podemos suportar.

 

Já aconteceu você um dia ter estado vulnerável (sentimentos, ideias, crenças, etc) diante uma pessoa ou pessoas, e no dia seguinte, ao acordar, imediatamente, vir à memoria a experiência do dia anterior e pensar que esteve exposto/a e vulnerável, diante uma pessoa ou pessoas e ficar dominado/a pelo pânico? Querer fugir? Querer esconder-se? E afirmar: "O que é que eu fiz? Estou maluco/a... ". Importante: não esteve ou está nada de errado consigo, ficar vulnerável é OK

 Quando estamos a sofrer, é mais acessível e apelativo ficarmos calados e confusos, quando ficamos angustiados e deprimidos, do que correr riscos e expormos e partilharmos os sentimentos com pessoas de confiança. Será que optamos por ficar calados porque nessas alturas nos classificamos, de acordo com critérios rígidos e exigentes, como pessoas "fracas", "malsucedidas”, “infelizes" e "feias"? O problema não são os outros, o problema são os critérios (sistema de crenças negativas) que utilizamos para nos classificar.

 

Segundo Erving Goffman existem pelo menos três tipos de estigma. 1. Características físicas, deformidades 2. valores morais, sentimento de culpa, interpretadas como carácter fraco, crenças falsas ou rígidas, desonestidade deduzidas através dos relatos conhecidos e associados à doença mental, alcoolismo, vício, homossexualidade, desemprego, tentativa de suicídio e 3. estigma da raça, nação e religião. Todas estas características podem ser transmitidas através de gerações e “infectar” famílias.

 

Quando na sociedade o assunto é dependência de drogas, alcoolismo, jogo patológico, adicção ao sexo, perturbação do comportamento alimentar, shoplifting (furto), compulsão compras a reação das pessoas (e instituições) é recuar, resistir, negar, esconder (mitos a tabus) e fazer segredo, quando na realidade, aquilo que precisamos de fazer é precisamente o contrário, precisamos de alertar, mudar a perceção, quebrar o segredo, informar e comunicar, expressar sentimentos e combater a impotência/vergonha. Todos nós temos problemas, todos nós possuímos uma história de estigma, de negação e de vergonha para contar e a dada altura da vida precisamos de ajuda; o ser humano é um ser imperfeito e aceitar este facto incontornável é um acto de coragem.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.