Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Prevenção das Dependências - Art of Counseling

Prevenção significa: Prevenir, Adiar e Reduzir os consumos de substâncias geradoras de abuso, dependência crónica, progressiva e fatal.

Prevenção das Dependências - Art of Counseling

Prevenção significa: Prevenir, Adiar e Reduzir os consumos de substâncias geradoras de abuso, dependência crónica, progressiva e fatal.

Dados sobre Pessoas e as Drogas

No mês de Junho  de 2011 foi publicado o Relatório Mundial sobre as Drogas 2011 (World Drugs Report) pelo Secretário-geral das Nações Unidas, o sr. Ban Ki-moon. Aproveito para adicionar também alguns dados do Observatório Europeu das Drogas e Toxicodependência (OEDT), do Instituto da Droga e Toxicodependência (IDT) e noticias veiculadas pela comunicação social durante este periodo.

 

Dados:

“Portugal apresenta os níveis mais altos de Sida entre os dependentes e indivíduos que apresentam uso problemático (abuso) de substâncias psicoactivas.”

 

“Em termos legais comemora-se 10 anos que se descriminaliza o consumo de drogas em Portugal.”

Em 17 de Junho fez 40 anos que o Presidente dos EUA, Richard Nixon, declarou guerra às drogas. A seguir outros países adoptaram a mesma estratégia. [i]

 

 

“A descriminalização não aumentou o consumo, MAS Portugal ainda está à frente no uso problemático (Abuso) de estupefacientes.”

 

“As pessoas dependentes de substâncias psicoactivas não devem ser descriminadas. Devem receber tratamento e ser acompanhados por pessoal médico especializado e conselheiros. A adicção às drogas é uma doença, não é crime.” Secretário-Geral das Nações Unidas, Sr. Ban Ki-moon

 

“A produção e abuso de medicamentos opiáceos e novas drogas continuam em escalada.”

 

“A utilização de medicação, sem prescrição médica, é um problema crescente em alguns países.” [ii]

 

 

“210 Milhões de pessoas em todo o Mundo, significa 48% da população entre os 15 e os 64 anos de idade consumiu drogas em 2010.”

 

“O consumo de cocaína duplicou na Europa movimentando valores que se estimam entre os 30 Mil Milhões de Dólares.”

 

Segundo o director executivo da agência das Nações Unidas para as Drogas e Criminalidade reconhece progressos, MAS afirma que há mais a fazer para promover comportamentos saudáveis.

 

“210 Mil pessoas morrem todos os anos devido às drogas.”

 

“O Relatório Mundial das Drogas (2009) estima que existam 38 milhões de pessoas que abusam (uso problemático) de drogas, somente 4,9 milhões têm acesso a tratamento/apoio médico. “

 

Segundo o Sr. Wolgang Gotz, director do Observatório Europeu das Drogas e Toxicodependência (OEDT) refere que as estatísticas revelam que um em cada três jovens europeus já experimentou uma droga ilegal e que os jovens se deparam com um número cada vez maior de substâncias psicoactivas.

 

“O OEDT estima que entre 2% e 2,5% dos jovens adultos consomem cannabis diariamente ou quase diariamente, em especial o sexo masculino. Esta percentagem representa uma grande população em risco e realça a necessidade de compreender melhor as necessidades deste grupo em termos de serviços.”

 

Estimativas do OEDT do consumo de drogas na Europa, em 2009

 

“Cannabis: prevalência do consumo ao longo da via pelo menos 74 milhões (22% dos adultos europeus). Consumo no último ano: 22,5 milhões de adultos europeus. Consumo no último mês: 12 milhões de europeus.”

 

“Cocaína: prevalência do consumo ao longo da vida pelo menos 13 milhões (3,9% dos adultos europeus). Consumo no último ano: 4 milhões de adultos europeus. Consumo no último mês: 1,5 milhões. “

 

“Ecstasy: prevalência do consumo ao longo da vida pelo menos 10 milhões (3,1% dos adultos europeus). Consumo no último ano: 2,5 milhões. Consumo no último mês: menos de 1 milhão”

 

“Anfetaminas: prevalência do consumo ao longo da vida pelo menos 12 milhões (3,5%dos adultos europeus). Consumo no último ano: 2 milhões. Consumo no último mês: 1 milhão”

 

“Opiáceos: Consumidores problemáticos (abuso) estimados em 1,2 e 1,5 milhões de europeus. As mortes induzidas pela droga correspondiam a 4% das mortes de europeus entre os 15 e os 39 anos de idade, tendo sido encontrados opiáceos em cerca de 3 quartos dos casos. Droga principal em mais de 50% do total de pedidos de tratamento para toxicodependentes. Cerca de 650 000 consumidores de opiáceos receberam tratamento de substituição em 2007.”

 

                                                                                                       «»

 

“Entre os jovens, o consumo de múltiplas substâncias pode aumentar o risco de problemas agudos e prenuncia o desenvolvimento posterior de um hábito de consumo crónico de droga. Entre os consumidores de droga regulares e mais velhos, o policonsumo[iii] é um dos principais factores contribuintes para a overdose de droga, além de dificultar o tratamento da toxicodependência e  estar associado à violência e à violação da lei.”

“As drogas ao dispor dos europeus são cada vez mais diversificadas, por exemplo, a inovação na produção de drogas sintéticas e as crescentes preocupações suscitadas pelo abuso de medicamentos sujeitos a receita médica. Além disso, tem-se constatado que um elemento definidor do problema do consumo de substâncias europeu é o uso concomitante de álcool, que pode ser observado em TODAS as faixas etárias.”

 

“Entre a população escolar, os dados mais recentes revelam uma forte associação entre o consumo excessivo esporádico de álcool e o consumo de droga. Esse consumo excessivo esporádico também está frequentemente ligado ao consumo recreativo de drogas, aumentando risco de consequências negativas entre os jovens adultos.”

 

“Segundo um relatório do Instituto da Droga e Toxicodependência (IDT) revela que entre 2001 (ano da implementação da lei da descriminalização) e 2007 o consumo de estupefacientes registou, em termos absolutos, uma subida de 66%. Nesse período houve um aumento de 215% no consumo de cocaína, 85% de ecstasy, 57,5 de heroína e 37% de cannabis. Desde 2001 houve um aumento de 50% no consumo de drogas, entre os jovens com idades os 20 e os 24 anos. Por outro lado, o número de pessoas que experimentou drogas ilícitas, pelo menos uma vez, subiu 7,8% em 2001 e 12% em 2007.”

 

“Desde a descriminalização (2001) o número de homicídios relacionados com drogas aumentou 40%. Portugal foi o único país europeu com um aumento significativo de homicídios relacionados com drogas entre 2001 e 2006” (Nações Unidas – World Drug Report Junho 2009)

“Mercado Mundial de Drogas Ilegais. Segundo estudo financiado pela Comissão Europeia, sobre o mercado de drogas ilegais, apresentado em 2009, estima que as vendas atinjam mais de 100 Mil Milhões de Euros.”

 

"A descriminalização não interfere decisivamente nos consumos de drogas das populações, nem nos problemas colocados à sociedade portuguesa pelos usos e em especial pelos abusos de drogas” Professor Jorge Quintas.

 

“Segundo o Presidente do IDT estão em tratamento 40 mil pessoas e em estruturas de redução de danos cerca de 15 mil. O fenómeno da toxicodependência está a diminuir, mas isso não significa que o consumo de drogas esteja a decrescer. São dois fenómenos distintos.”  Entrevista ao Correio da Manhã

 

“Existe um aumento do número de jovens entre os 13 e os 18 anos que já experimentaram LSD, sendo que a maior subida regista-se no grupo etário dos 16 anos, segundo um inquérito preliminar. Em relação a outras drogas, verifica-se uma subida nas experiencias com anfetaminas e com cocaína entre os jovens com 15 e 16 anos e uma descida no consumo de cannabis entre os jovens dos 13 anos 15 anos.” Notícia da TSF

 

Comentário:

Na sociedade portuguesa, incluindo os órgãos de comunicação social, ainda se caracteriza e define as substancias psicoactivas em duas categorias: As drogas leves e as drogas duras, este caracterização as referidas substâncias contribui para o preconceito e o mito. Esta terminologia não se aplica em termos médicos. O Observatório Europeu das Drogas e Toxicodependência define as substâncias em quatro categorias: 1. Cannabis 2. Anfetaminas, Ecstasy e substancias alucinogénicas 3. Cocaína, cocaína e crack e 4. Consumo de opiáceos e drogas injectada.

 

Não acredito que a sociedade portuguesa (políticos, tribunais, médicos, investigação e comunicação social, etc.) possua a maturidade suficiente para aderir à legalização da cannabis. Não basta legalizar, é preciso informar, devidamente, o publico em geral das especificidades desta substancia psicoactiva e as suas consequências. O problema não é as drogas, são as pessoas.

 

Infelizmente, nestes dados, não consta uma estimativa sobre o número de famílias, incluindo as crianças, afectadas pela Toxicodependência. A família aparenta ser negligenciada visto existir estruturas de apoio aos indivíduos dependentes, mas para as respectivas às famílias, em muitos casos traumatizadas, não. Será que isso significa que a Família não está envolvida no processo de tratamento? Segundo revelam alguns estudos, nos EUA e em Inglaterra, a família deve fazer parte activa do tratamento do dependente, contribuindo assim, para o sucesso da recuperação.

 

Infelizmente, nestes dados não consta as despesas para o Estado na área da saúde. Seria significativo, o publico em geral, tomar conhecimento sobre o montante aproximado dos gastos. Acrescento, as despesas de tribunais (problemas legais), e problemas de saúde (por exemplo, HIV/SIDA, Hepatite C), problemas no trabalho (por exemplo, o absentismo, acidentes de trabalho e problemas nas equipas).

 

Também não é publico as despesas sobre a Luta Contra as Drogas. Segundo alguns peritos internacionais afirmam, e corroboro essa afirmação, que a Luta Contra a Droga, nos moldes em que é definida a sua estratégia, é uma guerra contra fantasmas e sem sucesso. Isto é, continua-se a gastar milhares de euros sem que o resultado desse investimento tenha retorno concreto e satisfatório.

 

Considero que da mesma maneira, que as drogas ilegais, as drogas legais merecem destaque, refiro-me ao abuso (uso problemático) do álcool e ao alcoolismo, em especial aos jovens adultos e em geral aos adultos, famílias, incluindo as crianças, problemas de saúde (hepatites, Cirroses, SIDA/HIV), problemas legais, problemas no trabalho (absentismo). Neste sentido, o numero de indivíduos afectados pelo abuso do alcool e/ou alcoolismo, incluindo as suas famílias e crianças na nossa sociedade é um fenómeno negligenciado e negado visto não existirem dados. Convido o leitor a visitar o site Directório do Álcool. Acompanho este site desde a sua inauguração e constato que, o seu conteúdo muito aquém daquilo que é esperado, por exemplo, em termos informativos na área da investigação e estatísticas, afirma estar “funcionalidade em desenvolvimento”. Como é possível, se o alcoolismo é um problema de saúde pública? http://www.directorioalcool.com.pt/Paginas/HomePage.aspx

 

 

Podemos também acrescentar a utilização de medicação, sem prescrição médica (auto medicação), capaz de gerar dependência crónica (por exemplo, as benzodiazepinas; tranquilizantes, sedativos) problemas de saúde e problemas no trabalho (absentismo). Mais uma vez, não existem dados públicos sobre este flagelo.

 

Para terminar, gostaria de acrescentar uma questão que afecta principalmente as drogas ilícitas refiro-me às drogas adulteradas. Isto é, a maior parte das drogas comercializadas e consumida, nas ruas, são adicionadas outras substâncias desconhecidas e possivelmente tóxicas.

E os dados sobre o consumo de nicotina? Apesar das medidas restritivas e existirem centros de saúde que disponibilizam apoio à interrupção dos hábitos tabágicos, que visam alertar sobre o perigo em fumar, pouco se sabe sobre o trabalho desenvolvido na dependência, assim como os seus resultados.

 

Mais Vale Prevenir Do Que Remediar e

 

Recuperar das Dependencias visite o blogue http://recuperardasdependencias.blogs.sapo.pt

 



[i] Guerra às Drogas Ilegais parece uma batalha perdida e contra fantasmas. Gastam-se, todos os anos, triliões de dólares sem que o resultado desejado seja alcançado, porque a oferta continua a supera a procura. A Industria milionária e poderosa das drogas e os seus parceiros conseguem corromper pessoas, instituições e países (por exemplo o caso mais mediático México, Colômbia, Afeganistão).

 

[ii] Em Portugal não existem relatórios (investigação) sobre a utilização da medicação sem prescrição médica (auto medicação) capaz de gerar dependência crónica. Este flagelo aparenta atingir níveis preocupantes e galopantes visto não ser monitorizado e/ou avaliado pelas autoridades competentes.

 

[iii] Policonsumo de substancias psicoactivas ilícitas e/ou licitas – Refere-se ao consumo de mais do que uma droga ou tipo de droga pelo mesmo individuo – consumo simultâneo ou sequencial (definido no léxico da Organização Mundial de Saúde – OMS) Por exemplo, um indivíduo pode consumir, abusar (consumo problemático) e ficar dependente (Adicção) à Heroína, Álcool e Tranquilizantes (Benzodiazepinas) ou Cocaína, Tranquilizantes (Benzodiazepinas) e Álcool. Objectivo do indivíduo em relação ao Policonsumo passa por potenciar e/ou regularizar (controlar) o efeito das substâncias ingeridas a fim de obter o efeito desejado (auto medicação).

 

 

 

 

 

2 comentários

Comentar post