Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Prevenção das Dependências - Art of Counseling

Prevenção significa: Prevenir, Adiar e Reduzir os consumos de substâncias geradoras de abuso, dependência crónica, progressiva e fatal.

Prevenção das Dependências - Art of Counseling

Prevenção significa: Prevenir, Adiar e Reduzir os consumos de substâncias geradoras de abuso, dependência crónica, progressiva e fatal.

Fantasmas na Familia que necessitam de ser identificados

Como a Qualidade de Laços na Família Previne ou Contribui para a Psicopatologia Infantil e da Adolescência.


Todas as crianças precisam de uma pessoa, nas suas vidas, que seja doida por elas. Todas as crianças necessitam de saber que existe uma pessoa que é doida por elas e que estará lá sempre. Foi assim que conseguimos evoluir e sobreviver como uma espécie neste planeta. É por haver pessoas que são doidas por nós, enquanto somos crianças, que conseguimos sobreviver. Geralmente, essas pessoas são os nossos pais e/ou outras pessoas significativas. Para muitos, os primeiros anos de vida são aqueles que não importam muito. Parte da existência que muitos já não se lembram do que aconteceu. Mas na realidade, será verdade?


Sabias que, aproximadamente ao 7º ano de vida, o teu cérebro ja esta programado para lidar com o mundo e programado na forma como experienciar o mundo? Sabias que é no primeiro ano de vida, que aprendes a lidar com sentimentos, tais como, a confiança e a desconfiança? Sabias que quando nasces, a capacidade de absorver memória emocional está completamente formada? Sabias que, nos teus mecanismos cerebrais, a memória das coisas que te lembras é diferente da memória emocional? Quantas vezes já pensaste sobre um assunto de maneira diferente, ao longo de um período de tempo, mas o sentimento não muda? O sentimento está registado na “memória” do teu corpo.


Quando os pais expõem as suas preocupações sobre o comportamento dos seus filhos, regra geral, eles querem saber o que é que posso fazer para mudar o comportamento, para que obedeçam aos pais. No caso de trauma para que fiquem saudáveis, e assim por diante. Agora, o que raramente acontece é aparecerem pais a perguntarem-me “O que é que eu posso mudar nas minhas atitudes e no meu comportamento para ajudar o meu filho/filha?”.



Tendo em consideração a psico-biologia da criança, o papel dos pais é ensinar aos filhos, como se auto-regularem psicologicamente, pois é com essas “ferramentas” que vão lidar com o mundo. E é utilizando essas competências (ferramentas) que vão construir outros laços significativos e/ou desenvolver relações destrutivas com outras pessoas.


 

Quando o bebe nasce, uma das suas primeiras competências é o desenvolvimento da visão, são os pais, para quem ele vai olhar (identificar), sente que estão lá para cuidar dele, é o primeiro passo, da sua personalidade emergente, para o desenvolvimento da auto-estima. Quando o bebé chora e os pais acodem de imediato, ele sente-se seguro, num “mundo” repleto de possíveis predadores. Posso também acrescentar, por exemplo enquanto o bebé chora, e um dos seus progenitores procura sossegar (embalar), através de uma voz suave, (ex. cantando uma velha cantiga), o cérebro do bebe é ajustado/regulado, reduzindo substancialmente os níveis de cortisol, (possibilitando a comunicação dos neurotransmissores), retornando então o balanço homeostatico (homeostase). È através deste processo que o bebé aprende a auto-regular (equilíbrio da emoções), não conseguindo fazer sem a contribuição dos pais. E pela atenção (disponibilidade emocional) que lhe presta quando brinca com ele, quando lhe dá banho, quando o consola quando chora, quando o alimenta, quando tem fome, que se sente digno de receber, ao ser valorizado, e por sua vez, aprende a valorizar e a dar.


Quando a crianças crescem, precisam de alguém significativo, de forma a assegurarem-se que não existe um dragão que os vai comer de noite quando ficam sozinhos no quarto. A criança precisa de protecção e orientação dos pais/pessoas significativas para lhe mostrar como se lida com as pessoas, de forma a aprender a construir e a manter laços saudáveis nos relacionamentos. Aprender a identificar uma injustiça e prevenir outra. Entre imensas necessidades, a crianças precisa também que os seus sentimentos sejam prezados, assim como, ensinado a lidar com eles. Aceitar a sua própria tristeza e estar presente nesses momentos dolorosos, aceitar a raiva sem o desvalorizar pessoalmente, mas mantendo sempre regras básicas que sejam justas e ajuda-lo a exprimir a sua raiva o mais congruentemente possível. A crianças precisam de orientação dos pais para que aprendam a lidar com a vergonha e saber lidar com a ansiedade, gerado pelo de sentimento de culpa. A criança precisa dos pais para descobrir que o segredo baseado em medo corrói mais do que nada, e por isso a criança precisa da compreensão, aceitação e justiça, enfim, precisa que os pais sejam um espelho da sua alma para que se veja nos seus olhos, para que se encontre neste mundo e desenvolva uma capacidade saudável de estar consigo próprio e em se relacionar com outros. Não te esqueças, pai, mãe ou pessoa significativa, és o primeiro arquétipo, o primeiro significado da vida da criança.



Pai, mãe e/ou pessoa significativa, isto só pode ser feito de duas maneiras. Primeira, como criança foste assim educado, respeitado e continuaste a seguir esse rumo, ou segundo, com as melhores das intenções foste moldado à expectativa dos outros e nunca te encontraste, pois os caminhos que te indicaram não eram as estradas da tua alma, e como te perdes a maioria das vezes, perdes os outros também.


Tiveste então que seguir um caminho pelo qual a estrada nem sempre foi a direito (como qualquer outra estrada) e também foste aprendendo ao longo da tua vida a identificar os teus direitos como criança, para que agora como pai e/ou mãe consigas fazer diferente, daquilo que fizeram contigo, com os teus filhos.



Would not God find a way out, some superior deception such as the grownups and the powerful always contrived, producing one more trump card at the last moment, shaming me after all, not taking me seriously, humiliating me under the damnable mask of kindness?”


Hermann Hesse, “A Child’s Heart”


Aproximadamente, em 90% dos casos a psicopatologia infantil não é uma doença mental. São originados por conflitos emocionais (neuroses), juntamente com problemas de comportamento. Podem ser criados pela educação, pelo meio ambiente, juntamente com os genes. Mas atenção, não são os genes que ditam o comportamento, é o ambiente que reflecte e selecciona os genes que as tuas células vão utilizar. É assim que se forma a tua percepção, a tua memória emocional consciente e inconsciente assim como filtras e assimilas a realidade.


Se como pai, mãe e/ou pessoa significativa não conseguir regular a raiva do seu filho/a, provavelmente no futuro, ele não irá conseguir tolerar a raiva dos outros. Como pai, mãe e/ou pessoa significativa não conseguir estabelecer regras justas e regular os sentimentos de culpa do seu filho/a, é muito possível que ele não aprenda o significado de justiça, sentindo-se responsável pelos sentimentos dos outros quando crescer. Como pai, mãe e/ou pessoa significativa não permitiu a expressão das emoções, é natural que o seu filho/a, quando crescer, não saiba lidar com as suas emoções, assim como viver com as dos outros. E a lista continua.



Estes são os fantasmas “vivos” que atravessam gerações, mas que ninguém aborda, pois para muitos pais não sabem como lidar com estes assuntos (mitos e tabus). Como pai, mãe e/ou pessoa significativa para conseguir expressar e abordar estes fantasmas é necessário conhecer os seus “nomes”. A criança que não foi emocionalmente regulada/educada e não teve um “espelho da sua grandeza”, na realidade, nunca viu a sua cara.


A maior prevenção na saúde mental e psicopatologia, antes de medidas sociais e profissionais, sao vocês, como pais, mãe e/ou pessoa significativa. A sua missão como progenitor é desenvolver uma estrutura familiar segura aos seus filhos, para que eles aprendam a construir as deles.



Se queres saber mais sobre psicologia infantil e ideias praticas como lidar com as suas crianças, siga os links:



http://www.lifespanlearn.org/videos.php

http://www.alice-miller.com/index_en.php

https://play-therapy.com/store/merchant.mvc?Session_ID=098cfcc4d71d13bd49a49c492de62669&

http://content.scholastic.com/browse/article.jsp?id=4040


Tanto na felicidade, tanto como na tristeza, BOA SORTE!

 

Dr. Miguel M. Estrada, PsyD, MBACP


Child and Adolescent Clinical Psychotherapist

Autism Spectrum Disorders Specialist Unit, London.

 

 

 

Contacto santamaria@live.co.uk

 

Site: http://www.pedopsicoterapia.com/ 

 

Comentário: Desde já gostaria de expressar os meus agradecimentos ao Dr. Miguel Estrada pela sua participação no movimento/causa sobre a Prevenção. A prevenção assume um papel significativo na educação das nossas crianças e na nossa comunidade.

Como aprendemos a ser os adultos que somos? Na minha opinião, não existem fases (expressões populares entre pais) "Ah, o meu filho/a está numa idade dificil..." ou "Sabem como é....adolescência...é problematico." Todos nós, seres humanos sofremos as adversidades da vida.

Não é sinonimo de educação fazer com que os nossos filhos/as nos obedeçam (cegamente), atraves de regras desactualizadas, rigidas e ou demasiado passivas. Para eles (crianças) é demasiado confuso, por ex. um pai dizer/fazer uma coisa, e depois a mãe dizer/fazer outra. Há que encontrar, atraves da criatividade e do exemplo um espaço para educar e aprender a viver em conjunto/familía. Porque afinal, como adultos, também estamos a aprender com os erros...e algumas vezes os nossos filhos (crianças) sofrem as consequencias desses mesmos erros.

Prevenção é tolerancia, orientação, compaixão, assertividade (ex. dizer NÂO), limites e liberdade de escolha, é aprender a receber e a dar.

Um grande bem haja Miguel e abraço iluminado.