Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Prevenção das Dependências - Art of Counseling

Prevenção significa: Prevenir, Adiar e Reduzir os consumos de substâncias geradoras de abuso, dependência crónica, progressiva e fatal.

Prevenção das Dependências - Art of Counseling

Prevenção significa: Prevenir, Adiar e Reduzir os consumos de substâncias geradoras de abuso, dependência crónica, progressiva e fatal.

Escolhas Positivas

Fui contactado por um colega para organizar um programa de Prevenção das Dependências para um grupo de pessoas da mesma família (irmãos e respectivos cônjuges, todos com filhos com idades compreendidas entre os 10 e os 15 anos). Coisa inédita. Na maioria dos casos e segundo a minha experiencia, é habitual ser contactado através de escolas, associações, instituições, mas nunca por uma família. Fiquei ao mesmo tempo surpreendido e encantado com esta oportunidade.

Um família “modelo” preocupada e decidida a avançar na Prevenção das Dependências, em vez de delegar a responsabilidade deste trabalho na escola, nos professores, nos políticos, na polícia, na sorte, etc. Querem aprender, e assim, assumir a sua quota-parte na educação dos seus filhos. Como é do senso comum a “instituição” familiar ocupa um lugar de relevo na Prevenção das Dependências.

Estabeleço um paralelo entre duas situações diferentes e antagónicas. Num extremo uma família activa e determinada, no outro, uma família disfuncional e “doente”. Desde 1993 que trabalho e colaboro com instituições no tratamento das dependências, em regime residencial de internamento, e recordo vários relatos de membros de família impotentes, desesperadas, outros em completa negação, “cheios” de sentimento de culpa e remorso, que afirmavam desconhecer por completo a razão pela qual o seu filho/a tinha desenvolvido uma dependência às drogas, incluindo o álcool, e estar internado na clínica. Interrogavam-se desesperados; “Como é possível o meu filho/a ter um problema com drogas?” e “ O que fiz de errado?” ou “O que é que eu poderia ter feito diferente, de forma a evitar todo este sofrimento?” ou “Se ele/a (filho/a) realmente gostasse de nós, nunca faria uma coisa destas”, etc.

Visto já ter efectuado este programa de Prevenção das Dependências – “Escolhas Positivas” em escolas, decidi efectuar algumas adaptações a um contexto familiar direccionado somente aos pais. Prevenção das Dependências pode significar: prevenir, adiar e reduzir o consumo de toda e qualquer substancia potencialmente perigosa e geradora de dependência (adicção).

Em meados de Março, lá nos reunimos numa tarde amena de sábado, éramos 8 adultos ao todo. Começamos o Programa “Escolhas Positivas” por partilhar, “quebrar o gelo” inicial, aspectos relacionados com a educação dos filhos (duvidas, preocupações, diferentes pontos de vista) e o “papel” que cada progenitor desenvolve ao longo da vida do seu filho/a, em termos de referencia (modelo) num ambiente seguro e de respeito pelas ideias de cada um.

 

Novas Descobertas

No campo da Prevenção das Dependências já muito trabalho foi desenvolvido no “terreno”, com algum sucesso, por pessoas e instituições dedicadas a esta causa, mas por outro lado, admito que ainda nos falta, como sociedade, um grande caminho de aprendizagem e compromisso, para o êxito desta missão.

Por vezes, promovo programas de Prevenção com a melhor das intenções, todavia mais tarde descubro para minha surpresa, conteúdos que provavelmente se adaptariam melhor aos objectivos. Quando penso que avanço, provavelmente, estou parado.

De acordo com a investigação, hoje podemos concluir que qualquer tentativa isolada, para “educar” as crianças sobre os aspectos negativos do consumo de tabaco, álcool ou outras drogas lícitas e ilícitas (factos e consequências) são inúteis, e também podemos acrescentar que em certos grupos de crianças, esta informação, pode aumentar o risco de consumo.

Se sabemos que é inútil, porque continuamos a faze-lo?

Informar as crianças sobre os efeitos negativos do tabaco, álcool, incluindo as drogas (licitas e ilícitas) não produz nenhum efeito preventivo. Parece difícil de acreditar, mas é verdade.

Em 1984, um investigador americano, envolvido num dos primeiros programas de educação sobre a prevenção das dependências para crianças em idade pré-escolar, concluiu com surpresa, que a maioria das crianças com idades entre os 3 e os 5 anos já sabiam dos efeitos negativos do consumo de álcool – elas afirmavam “É mau”, “Faz mal à saúde” e “É perigoso”.

Por isso, em termos de estatística, todos os estudos efectuados nos EUA subordinados ao tema – Factos e Consequências do Consumo de Drogas, revelam não apresentar qualquer impacto positivo nas crianças em termos de prevenção (ver ex. de Tobler e tal. 1999). Também existem evidências que algumas crianças, na posse desta informação, apresentam sinais de risco, ex. desafio e provocação aos adultos, subsequentemente exerce uma influência negativa em comportamentos de risco entre o grupo de pares.

      

Os jovens, a industria do alcool e a Lei - 60 minutes CBS-TV

O programa 60 minutes da cadeia de televisão norte americana CBS debruçou-se sobre o alcool e os jovens.
O este tipo "diferente" de jornalismo preocupa-se com estas questões: A industria do alcool, as leis e o consumo de bebidas alcoolicas entre jovens. No nosso país, é permitido o consumo de bebidas de alcool por jovens a partir dos 16 anos. Na minha opinião, não está certo e não é justo. Eles merecem outras leis e monitorização pela parte dos adultos e comunidade.

"Nao basta ser, é preciso fazer"
Observem este video e procurem as diferenças e as semelhanças em Portugal.
Clique no link (inglês):


http://www.cbsnews.com/video/watch/?id=4819332n