Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Prevenção das Dependências - Art of Counseling

Prevenção significa: Prevenir, Adiar e Reduzir os consumos de substâncias geradoras de abuso, dependência crónica, progressiva e fatal.

Prevenção das Dependências - Art of Counseling

Prevenção significa: Prevenir, Adiar e Reduzir os consumos de substâncias geradoras de abuso, dependência crónica, progressiva e fatal.

A Prevenção da Violência


A primeira dificuldade que alguém preocupado em implementar um sistema efectivo, na prevenção da violência encontra, é definir um limite – estabelecer uma linha clara e consensual. Isto significa que identificar o ponto (comportamento) da violência em que é necessário agir e avançar com um plano em acção de forma a eliminar o comportamento problemático. Todavia determinar essa linha (ponto) não é tarefa fácil.

Dependendo da forma como a violência é manifestada, actos de violência podem dividir-se em duas categorias primárias: física e verbal. Por exemplo; uma rapariga, que cerra os dentes, arregala os olhos e começa a berrar com o dedo indicador em riste intimidando um colega de turma estará a praticar um acto de violência? E se ela atacar um colega com uma faca? Certamente, estes dois cenários, diferem no grau de gravidade, mas classificar violento o uso de uma faca e uma atitude com gestos intimidadores um acto não violento, será sempre um equivoco quanto à interpretação da natureza da violência.

È verdade, quando afirmamos que a maioria dos casos de manifestações de violência não são de natureza física. De qualquer maneira, é completamente impossível eliminar a violência física enquanto se tolerar o abuso da violência não física (verbal).

A violência verbal pode revelar-se em expressões de raiva, aversão e ódio, através de palavras, gestos, linguagem corporal e comportamentos sociais que são desrespeitadores, intimidadores, humilhantes e rebaixar os outros. Uma critica destrutiva, fofoca maliciosa, olhar intimidador, simular com um gesto que se magoa ou se mata alguém são todos formas de violência porque são uma transgressão; uma violação evidente e enérgica para com a outra pessoa com a intenção clara em magoar ou insinuar o medo.

Por vezes, a violência física enquanto expressão mais facilmente identificada, pode ser mais dificilmente de detectada. Esmurrar alguém, é sem duvida alguma, uma expressão de violência. E o mero toque físico? Em todo o caso, a coisa mais importante a reter nestas situações é conseguir discernir, se um/a jovem que provoca o contacto físico pretende impor qualquer coisa ou forçar alguém. Se a/o jovem for tocado contra a sua vontade o acto pode ser considerado demolidor e desrespeitador dos seus direitos como individuo.

Negligenciar intencionalmente alguém ou a sua propriedade é considerado uma manifestação de violência. Por exemplo, o individuo sabendo que é portador de uma doença que contagia outra pessoa ou um adolescente que provoca um colega de turma atirando para o chão os livros da escola; ambos cometeram um acto de violência.

Enquanto o tipo de violência verbal é muito mais frequente que o tipo violência físico, é mais difícil de provocar uma reacção enérgica na outra pessoa, queixando-se de uma maneira clara e especifica, porque esta forma de violência pode ser feita de maneiras muito subtis. Um olhar sarcástico e ou intimidador, um empurrão em alguém numa sala cheia de pessoas, desconversar, “gozar” ou procurar humilhar, cortar a palavra a alguém que fala são tudo formas de violência que são muitas vezes toleradas ou que simplesmente as pessoas não dão por ela.

De preferencia, ao procurar-se traçar a linha entre expressões de raiva violentas e não violentas devem ser conseguidas num ambiente seguro e seguindo uma abordagem baseada no raciocínio lógico e compreensivo. Actuando com base na prevenção, evitando assim a ocorrência de qualquer manifestação de violência. Na realidade, só se consegue traçar essa linha no início de um tipo de comportamento violento, depois de ter sido identificado. A partir desse momento existe um dilema em se conseguir um numero razoável de pessoas que estejam de acordo quanto ao tipo de comportamento que é aceitável e qual o tipo de comportamento que não é aceitável e que é necessário evitar.

Todas estas questões são conclusivos quanto à questão central de se procurar delinear limites (linha) sobre os vários tipos de violência. È de facto um desafio. È importante que esta linha seja identificada de forma a que se consiga implementar programas de prevenção de qualquer tipo de violência, por exemplo, no meio escolar.